Na Trincheira do Poeta

Na Trincheira do Poeta

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Doação oculta, proposta indecente!



Está reforma política é um arremedo de mudança
De afogadilho os parasitas se arvoram em acertar  a própria vida. Inovar e renovar é pensamento para ilusionistas. Quero mais é me dar bem.


O Brasil mais parece um gigante sem prumo. Aprendi bem cedo pela observação dos pedreiros na construção do Colégio dos Padres de Brodósqui, onde aos quatorze anos fui servente e depois em pequenas contruções, sobre o emprego do nível, do prumo e da coluna d'água na mangueirinha. Compadre cadê isso, cadê aquilo, vamos usar a mangueira e assim cuidavam dos detalhes para que não houvesse erro.
Os políticos brasileiros estão mais é para cuidar de um rescaldo de incêndio, ou desastre maior que põe a pique
 o país.
Está reforma política é um arremedo de mudança sobre a qual ninguém falava. Foi só afastar a renúncia que ela apareceu. De afogadilho os parasitas se arvoram em acertar  a própria vida. Inovar e renovar é pensamento para ilusionistas. Quero mais é me dar bem.
Inacreditável depois de tudo que foi detectado de corrupção no Mensalão e na Lava Jato que alguém venha suscitar a criação de doação oculta. Ora, se proibido o caixa dois, temos tantos réus presos por doações ilícitas. Esta proposta sinaliza como um deboche da população brasileira. Senhores políticos tomem um cházinho de bom senso.
Nada da altas somas de financiamento de campanha, menos partidos, menos mandatos para oxigenar o meio com idealismo e clarividência sob a ótica repúblicana. Precisamos de homéns honestos e inteligentes. O Brasil merece! Atos ocultos são próprios de gangues criminas bem por isso estão sendo presos. Proposta
 indecente e constrangedora. Senhores! Façam como os obreiros, usem suas ferramentas cidadãs, vamos por o brasíl no prumo, rumo e vível, antes que a casa caia, pois para muitos já caiu. Que sirva de exemplo. Transparência sim, banditismo não!

Se as pétalas não caíssem?

Uma reverência aos pais que igualmente as pétalas se vão num renovar constante da vida!

Feliz dia dos pais àqueles qua se habituaram me fazer companhia nestas singelas reflexões vivências!



Em viagem a São Paulo para visita aos filhos, saúdo todos os pais, a começar "in memórian" ao meu que se foi há 29 anos...  As emoções vividas em tenra idade sempre foram mais fortes do que tudo que aprendi. Irreverente e de ágil pensar, destemido, criativo, polivalente - barbeiro, pedreiro, eletricista, carpinteiro, cozinheiro, motorista, comerciante, agricultor. Com sentimento comunitário, esportista - tocava sanfona que aprendeu depois dos  trinta, violão, cavaquinho e pandeiro, na infância. Na viuvez animou bailes nos vilarejos. Brincalhão a moda cabocla se enturmava muito fácil . Na Folia de Reis era quem afinava os intrumentos. Na velhice ao sair da barbearia, vez ou outra alguém lhe trazia um violão, quando de passagem por bares; e ali tocava, animando  a turma. Na longa internação nas clínicas não falava da doença se eu não lhe perguntasse. Gostava da verdade e desestimulou briga entre irmãos. Este a fonte de inspiração, de onde exssurgiu a coragem e ânimo de fazer o que fiz como fiz e o que ainda poderei fazer. 
Agradeço aos grandes mestres, aos escritores...aos líderes profissionais expoentes, cujos exemplos deram asas às energias em mim contidas, possibilitando aflorar a alegria de viver que aprendi na infância de forma contagiosa, com meus pais. Neste dia deles, ao lado de meus queridos filhos e netas,  com saudosa lembrança da esposa e agradecido a companheira pelos momentos vividos, consigno publicamente este pleito ao meu pai. Aos irmãos meu carinho e abraço! Aos irmãos de fé e companheiros no sevir obrigado por juntos darmos sentidos às nossas vidas. Sou feliz pela vida,vivida! 


Se as pétalas não caíssem!

Imaginação que perpassa o tempo
Distância que não barra o vento
Esvoaçam as pétalas multicoloridas
Arco-ires delas, rosas e margaridas!

Amores que ficaram, calientes
Terra querida de muitas flores
Hoje apenas em nossas mentes
À volta da abadia quantos amores!

Viajantes emocionados a visitar
Fulgurante paisagem em renovação
Pétalas pelo ar  imitam o valsear
Espetáculo da natureza, emoção!

Inegável sensibilidade a provocar
As pétalas do roseiral ao chão
Não renovaria o canteiro ao luar
Sim aos devaneios, sonhos, ilusão!

Flores, música, alegria! O trabalho mais uma referência, sem ele nada se faz. Vida que segue!  Domingo dia do Senhor que ele seja louvado para sempre louvado seja!
Feliz dia dos pais àqueles que se habituaram me fazer companhia nestas despretenciosas reflexões vivências!


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Cadê o povo nas ruas?

Que por sete dias pôs o Brasil nas ruas.

Cadê a OAB, a CNBB, a Maçonaria, as instâncias informais da sociedade? A Reforma Política é mais importante das mudanças. O anunciado até agora não reforma nada.

Deveríamos todos estarmos perplexos, ao contrário nota-se uma indiferença a tudo que está acontecendo. Esta atitude é extremamente danosa ao evoluir dos acontecimentos desde o Mensalão. Ela depõe contra o espírito dos meninos do Passe Zero...que por sete dias pôs o Brasil nas ruas, sem políticos e tomou simbolicamente o Congresso Nacional ao alcançar suas abóbodas sem nenhum dano. Agiram bem as autoridades públicas que em nenhum instante foram violentas na contenção dos excessos do Black apesar da agressividade deles. Este evento foi significativo, reputo-o o mais importante desde o Palanque das Diretas Já, ou mais significativo uma vez  que expontâneo.
Neste não houve shows de artistas renomados e a luta contra os militares que vinha de vinte anos.
Então brasileiros já descansamos...a Dilma já caiu...o Michel Temer felizmente não, mas o Fernando Henrique está aí com cara de paspalho a defender, novamente Diretas Já. A mesma cara com que defende a liberação das drogas mas não diz o que fazer com a Cracolândia, com a violência nos presídios; as balas perdidas no Rio de Janeiro e em consequência os mais de cem mil mortos por homícidos e crimes de trânsito.
Não sei de onde sairá a força, mas urge que voltemos às ruas com o mesmo ímpeto de 2013. Deixemos os políticos onde estão e escrevamos a síntese da reforma política pelo povo.
Tudo mudou fantasticamente nos últimos dez anos porque vamos aceitar atos de políticos comprovadamente corruptos em benefício de si próprio?
Cadê a OAB, a CNBB, a Maçonaria, as instâncias informais da sociedade? A Reforma Política é mais importante das mudanças. O anunciado até agora não reforma nada...Ela deve ser votada, juntamente com o fim dos privilégios aos políticos, fim da  reeleição, diminuição de partidos.
Este é um tema que por si só deveria provocar atitudes mais frenéticas e independentes do que as msnifestações de 2013.
Com o estabelecimento de pauta, sem a participação de nenhum político diretamente.
A sociedade brasileira dá mostra de que está preparada para isso!
Aprovar em dois meses uma reforma tão importante é um escracho...
Que se aprove o que for, mas com um dispositivo de que imediatamente após a posse será instalada um Assembléia Nacional Constituinte com propósitos de estabelecer um novo regramento visto que os da Carta Cidadã exauriram.
Por um Brasil renovado em seu ordenamento constitucional e concepções filosóficas, face às distorções dos últimos treze anos.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Voto de cabresto, mandato restrito!

O voto de liderança e o fechamento de questão.

Neste caso tive uma decepção com a decisão, posto que a liberdade tão apregoada pelos combatentes da ditadura era confrontada com um ato de expulsão face a um ato de foro íntimo num voto discordante, fazendo da cúpula do PT farsantes democratas.

Há uma queixa antiga de políticos quanto ao sistema na condução das discussões dos assuntos a serem votados nos parlamentos brasileiros, desde  as Câmaras Legislativas  ao Senado Federal!
O voto de liderança e o fechamento de questão sempre soaram como uma limitação do exercício do mandato, posto que o indivíduo gasta sandália e fosfato  mental para  ser eleito, representa milhares de eleitores, pessoas que acreditam no seu pensamento, e aí se vê subjugado pelo domínio da liderança do partido, como se o voto a ela atribuído valesse mais.
Quando da ascensão do Partido dos Trabalhadores ao poder, houve uma queda de braço com o arredio da Senadora Heloisa Helena, Luciana Genro e João Batista de Araújo, o Babá, que votaram contra a Reforma da Previdência. Por isso foram expulsos. A Senadora Heloisa, ferrenha militante pró-sigla, foi aos prantos publicamente. A expulsão deles chamou a atenção dos eleitores, pois não era usual tal postura.
Neste caso tive uma decepção com a decisão, posto que a liberdade tão apregoada pelos combatentes da ditadura era confrontada com um ato de expulsão face a um ato de foro íntimo num voto discordante, fazendo da cúpula do PT farsantes democratas.
Mas a conduta continua no PMDB e é comum a todos, com a suspensão por dois meses de seis deputados por terem votado pela denúncia do Presidente, são eles: Vitor Valim (CE), Celso Pansera (RJ), Jarbas Vasconcelos (PE), Laura Carneiro (RJ), Sérgio Zveiter (RJ) e Veneziano Vital do Rego (PB).
Tenho dificuldade de me pôr no lugar deles nesta decisão, porque o país voltou a ficar à deriva depois do encaminhamento desta delação estranha, sendo que turbulência maior viria com o afastamento do Presidente.
Sempre abominei esta postura - ou temos liberdade e é voto a voto ou tudo se torna pseudoliberdade. O partido não deveria fechar questão em nada. Liberdade plena, democracia pura, com a valorização do voto do eleitor através de seu representante.
Para completar, a Câmara dos Deputados está para sacramentar uma Reforma Política pífia, onde o financiamento de campanha prevalecerá, desprezando todo aparato midiático que possibilita o acesso gratuito do candidato ao eleitor.
Com 35 partidos políticos registrados, temos uma nuvem de parasitas que se soma aos servidores sem compromisso com seus deveres previstos quanto a eficiência, eficácia e efetividade, os quais gozam de direitos infindos.
Somente uma  Constituinte que reveja tudo que aí está poderá colocar o Brasil nos trilhos. Chega de enganação e exploração do povo: de 3 a 7 partidos, sem nenhum auxílio financeiro. Cotização entre os coligados. “Tudo mais é exploração do eleitor”.  Voto distrital simples, político tem que gastar sandália, ser conhecido regionalmente por seus pensamentos e atos que o credencie a liderança.
O Brasil, passado a limpo, seria bem diferente do que querem e fazem os políticos de agora. Chega de bandalheira, chega de voto de cabresto, chega de sanguessugas da nação, via partidos políticos!

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Reforma política, voto distrital!

A liderança é nata, não da família em sucessivas posses.

Em consequência concluo que a verdadeira democracia está no voto distrital e todos os políticos sabem disso, entretanto poucos tratam do assunto, porque para maioria é melhor deixar como está.

Do acompanhamento da política nos dez anos de filiado e atuação em função pública de permanente contato com administradores governamentais, vem a inspiração formadora de opinião sobre este assunto que vejo na contramão da racionalidade como hoje está!
A liderança é nata, não da família em sucessivas posses que passam de pai para filho, tenho isso pelo nome de dinastia e não democracia. Acredito nos dons pessoais pela capacidade individual do homem nas mais diversas áreas de trabalho e conhecimentos por habilidades individuais e facilidade de assimilar conhecimento que proporcione convencimento do que seja bom ou mau às comunidades e sociedade como um todo.
Em consequência concluo que a verdadeira democracia está no voto distrital e todos os políticos sabem disso, entretanto poucos tratam do assunto, porque para maioria é melhor deixar como está devido a perpetuação no  mandato nas próximas eleições. Estão mais preocupado mesmo é de onde vem o dinheiro para o financiamento de campanha, ante ao arroxo na arrecadação de recursos, via ilicitudes diversas sendo punidas na atualidade.
Divididas as regiões em distritos as eleições teriam seus custos reduzidos por estar o voto vinculado a candidato regional, onde é conhecido e tem tradição de boas obras, senão é barrado por incapacidade para o exercício do  cargo disputado. Este modelo proporciona ao eleitor acompanhar de perto seu líder em que votou.
Entretanto, o que se mais ouve é o valor do patrocínio com dinheiro público – querem milhões. Se der votação em lista fechada nos partidos, agora que está havendo apurações e boa parte deles  não teriam votos pela cumplicidade com as falcatruas de toda ordem recentemente descobertas.
Apesar do assunto ser discutido permanentemente, dois meses é muito pouco tempo para a conclusão de lei para a qual espertos de plantão terão a oportunidade de tergirsar sobre os verdadeiro objetivo e alcance de cada dispositivo desta que agora, tornou-se a prioridade nos meios políticos palacianos!
Que tenham juízo quanto a esta matéria para o bem de todos, precisamos reverter o que aí está. Por um Brasil renovado lutemos!

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Paradoxo - liberdade pela queda do Presidente!

Não bastasse esta excrecência, são reconhecidas várias mazelas.

Muitíssimos interesses envolvidos que os detentores do poder a treze anos, não quiseram e nem querem que mexam com eles. A pretensão era o Estado a serviço deles com a perpetuação no poder por anos a fio.


Estranha a delação de Joesley, num momento em que Michel Temer mostrava ter força para promover  as reformas programadas, como a Trabalhista e da Previdência já em andamento avançado e apoiadas por muitos. Aliás, reformar a estrutura político-administrativa do país, todos sabemos é urgente, pois o veio paranoico dos constituintes de 1988, criou distorções que muito mal fez ao povo brasileiro. Onde reside sua maior falha? Na demasiada proteção ao indivíduo, nela contido. Daí consignar um excesso de direitos e poucos deveres aos cidadãos brasileiros.
Ela chega neste momento com aproximada meia centena de emendas, uma colcha de retalhos remendada à guisa do oportunismo dos mandatários de plantão. Extensa, prolixa e por isso foi criticada desde sua edição. Desta forma, a lei penal por exemplo se debateu com o Estatuto da Criança e do Adolescente pelo qual, o individuo até os 18 anos é inimputável. Pratique o crime que for, ao completar 18 anos, terá ficha limpa, isto só para dar um exemplo.
Não bastasse esta excrecência, são reconhecidas várias mazelas no exercício da política e de algumas funções públicas de carreira, onde imperam privilégios de toda ordem. As leis trabalhistas por sua vez,  tem seus fundamentos na década de 40 do século passado, sendo obsoletas e prejudiciais à relação trabalhador/empregador, assim como caduca está a da previdência. O ordenamento político e de algumas categorias de servidores públicos deve igualmente ser reformado.
Muitíssimos interesses envolvidos que os detentores do poder a treze anos, não quiseram e nem querem que mexam com eles. A pretensão era o Estado a serviço deles com a perpetuação no poder por anos a fio. Com um sistema corroído pela corrupção e aproveitando-se disso para o enriquecimento pessoal, não pretendiam mover uma palha em reformas. Assumiram em 2002 e queriam o “ad eternum”, para sempre!
Assim surgiu a figura de quem mais se beneficiou, via Estado e numa engenhosa operação o Senhor Joesley e família põe fogo no país e voa para os EUA. A resistência da Casa Legislativa se deu conforme a lógica que a política permitiu aos Deputados e não podia ser diferente. Com o voto de uma maioria, justificado na tribuna, sendo que a maioria disse querer investigação  sem secção no poder neste momento. Cada qual aprovou o relatório para que não houvesse a denúncia do Presidente, a cautela com as coisas do país prevaleceu, pois reformá-lo é imperioso.
A oportunidade para que os destituídos há um ano retornassem às ruas – “o pior que poderia acontecer, neste momento”. Prisão a Joesley e a todos que merecerem. Que as reformas sejam implantadas para  o emergir de um país melhor para as futuras gerações. Já houve alteração na  Educação, a Reforma Trabalhista; a mudança quanto a postura no relacionamento externo, sem o viés essencialmente político de esquerda, como procediam.

A economia dá mostra de melhora. Até 2018 com o povo nas urnas para a escolha de novos mandatários e novos rumos ao Brasil! Juízo ao mandatários atuais, os eleitores merecem atitudes sábias, coerentes e honestas. A sorte está lançada, estejamos atentos!

As Forças Armadas em missão de Segurança!

Forças conjugadas para alcançar o bem estar do povo.

Em várias unidades da federação, como vemos, mormente no Norte e Nordeste há total perda de controle dos agentes públicos quanto a segurança da população, sendo a situação do Rio de Janeiro, a pior delas.


Entendo um Estado uno, forças conjugadas para alcançar o bem estar do povo. Já escrevi e repito que ser servidor público deveria transcender o mero cumprimento de rotina de trabalho. A catequização motivacional que  senti nos primórdios dos tempos de policial militar fazia sentido quando colocava o cidadão no mais alto da espiral da razão da existência da Polícia.
Assim vemos também nos compêndios administrativistas a abordagem dos deveres de assiduidade, pontualidade, urbanidade, eficiência, eficácia e efetividade e tantas outras obrigações e deveres de quem serve ao estado.
Ao imergir na análise dos problemas atuais brasileiros, a segurança realmente se destaca, depois da corrupção na política, campeã incontestável. Mormente no Rio de Janeiro, a anomia se faz a tempo. A perda do domínio na segurança faz daquele estado, cuja atração turística representa muitíssimo a todos, terra arrasada.
A iniciativa das Unidades  de Polícia Pacificadora,  tão esfuziantemente comemorada  pela esperança de dias melhores, foi minada pouco a pouco  e se tornou inócua. Os problemas políticos e econômicos se agravaram de forma que o comum do povo se viu órfão do Estado,  nas mãos dos bandidos, numa selvageria descabida de tiros para todo lado, arrastões em bloqueios de avenidas, um verdadeiro inferno.
As Forças Armadas brasileiras tem dado mostra de preparo na lide com o povo, seja nos eventos mais importantes como Copa e Olimpíada, na instalação das UPP, em que deram apoio incondicional no início. Daí minha posição de sua atuação, uma vez que o Estado, somos todos nós: é o professor, o médico, o obreiro e o militar.
Não podemos deixar sob hipótese alguma o comum do povo nas mãos daqueles que não tem a  consciência de um viver minimamente digno e faz apologia do crime para satisfazer perversos  instintos de ataque aos seus semelhantes.
Temos que defender a democracia por tudo que a envolve como regime que promove o homem em sua essência pelos direitos de liberdade, igualdade e propriedade que insere, assim como a segurança.
Ao servidor a conclamação de para que exaure suas energias em prol da causa pública, da mesma forma ao Estado também. Vejo que o emprego das Forças Armadas se insere neste contesto, pois em várias unidades da federação, como vemos, mormente no Norte e Nordeste há total perda de controle dos agentes públicos quanto a segurança da população, sendo a situação do Rio de Janeiro, a pior delas.
O risco desse emprego há que ser assumido, ante o caos reinante, sob pena de omissão do Estado Brasileiro. Bandido é bandido e deve ser contido!
Assim vemos também nos compêndios administrativistas quando abordam  os deveres de assiduidade, pontualidade, urbanidade, eficiência, eficácia e efetividade, como tantas outras obrigações e deveres.