Na Trincheira do Poeta

Na Trincheira do Poeta

terça-feira, 26 de abril de 2016

Por um Brasil renovado!

O rito no Senado está sendo outro...

Quero crer que nesta semana seja desalojada do Planalto quem nele jamais deveria estar. 

Publicado na íntegra em artigo no no jornal ¨O Regional¨ de Catanduva em 01/05/2016.

Ao descobrir o Brasil pelo que conhecemos da História, Cabral estava mais certo quanto à rota a seguir e  o que lhe esperava do que os políticos de agora. Depois de 11 anos do descalabro do Mensalão, somado aos dos Aloprados, a Câmara Federal deu o rumo a seguir ao decretar a “Admissibilidade do Impeachment”, julgado em célere rito, em sessão histórica e cinematográfica em pleno domingo para que todos os brasileiros testemunhassem. Foi diferente, o país não vive só de futebol. A política teve seu espaço em horário nobre para uma decisão importantíssima ao seu povo.
Entretanto, como estamos diante do “Triunvirato dos Acusados”, o rito no Senado está sendo outro, a permitir que os detentores do poder se arvorem em fortalecer a tese de golpe, quem a ela se apegou de unhas e dentes, com alaridos estridentes ao seu povo e mundialmente, expondo ainda mais o país ao ridículo. Não bastassem as notícias sequenciais da desenfreada corrupção e desgoverno que nos assola há tempos...
Quero crer que nesta semana seja desalojada do Planalto quem nele jamais deveria estar. Da mesma forma, com o tempo e que não seja longo, os outros dois do “Triunvirato dos Acusados” sejam destituídos também. E que percam os seus mandatos e sejam presos todos que mancharam as mãos nesta desmedida corrupção, detectada na Operação Lava Jato e seus desdobramentos.
O povo nas ruas desde 2013 dá demonstrações de descontentamento com os políticos. Os piores vêm sendo identificados e punidos graças à eficiência do Judiciário, entretanto a democracia não pode depender de um só poder que por sinal tem suas mazelas também, já denunciadas por pares, uma verdadeira ação de cortar na carne efetivada pela Ministra Eliana Calmon e o Ministro Joaquim Barbosa.
Evidente que a eficiência, como vem sendo conduzida a Operação Lava Jato, resgata a esperança do povo no seu Judiciário. Neste momento, vamos cuidar dos outros dois poderes, minimizando a chance de se perpetuar o império dos corruptos.
Por um Brasil renovado, roga a população nas ruas!

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Desmedida soberba da Presidenta!



Esqueceu-se que a responsabilidade é pessoal 

Internacionalmente o vexame é maior, a negatividade da situação do país já foi alvo do rebaixamento de crédito do Brasil pelas principais instituições financeiras.


O placar de 367 votos na Câmara Federal, que representa 70% do total dos votantes, não foi suficiente para calar quem se acha acima do bem e do mal. Ela tem bom professor e padrinho, o mundo vem abaixo, mas eles sempre dão a volta por cima. Todavia o espaço de manobras mirabolantes deles, que deixam os incautos boquiabertos, reduz-se dia a dia - o dela não se sabe até onde vai...
Registrei por observação pessoal, antes que o assunto fosse citado, a auto vitimização da Presidenta como algo nefasto e perigoso, pois com os holofotes sobre si, promoveu várias romarias ao Palácio do Planalto onde se fez de vítima e de lamúrias em lamúrias terminava sempre de punho erguido e aos gritos de “não vai ter golpe” - e não houve mesmo, foi no voto!
Nesta terça-feira, dia 19, foi mais grave ainda, pois deu dimensão internacional aos seus reclamos, e em primário raciocínio, reafirmou que se não puniram outros presidentes, porque puniram a mim? Esqueceu-se que a responsabilidade é pessoal e não se transfere e tampouco a não penalização de um torna imune outros. Ela está fazendo papel ridículo há tempo, embaralhando-se em apreciações das mais diversas que se transformaram em chacotas nas redes sociais e imprensa em geral.
Ao invés de abreviar, pela renúncia, o drama nacional, agravado pelos desacertos de seu governo,  vem a público numa vitimização que não comove mais ninguém, apenas agrava a penúria de seus fanáticos seguidores, se é que ainda os tem, dada a rejeição que lhe afetou mortalmente em 2015.
Internacionalmente o vexame é maior, a negatividade da situação do país já foi alvo do rebaixamento da nota de crédito do Brasil pelas principais instituições financeiras de forma que ela está como o “Alberto a falar no deserto”. Quer mesmo é fazer eco para ver se mantém mobilizada os cegos e fanáticos seguidores que o tempo se incumbirá de abrir-lhes o olhos... Fim de um ciclo político; essa é a mais evidente conclusão.

domingo, 17 de abril de 2016

Extermínio de um ciclo de poder!

Equívocos profundos da metodologia e embasamento filosófico do que aí está no campo político.

Praticam a manipulação de mentes e riquezas. Mentes para manter os incautos presos a suas imagens e no vil metal para comprar a todos


Desde que tive de dissimular minha identidade para estudar no Colégio Senador Paulo Egídio na Vlla Maria em São Paulo; a passagem por Registro no combate a Terroristas no Vale do Ribeira e de tudo que foi acontecendo ao longo dos tempos, acompanhado por uma militância                                               permanente nas coisas da comunidade, quer seja profissional pelos comandos exercidos ou extra trabalho, nas comunidades esportivas, sociais e de classe das quais sou associado, como dirigente de algumas, compatibilizei minha atitude  numa participação efetiva de forma que fizesse o máximo, consoante minhas limitações e assim, minimamente contribuir com um resultado positivo. Evidente que me sinto reconfortado quanto ao esforço, vejo consolidada a vitória estampada nos jornais com a decretação do Impeachment de Dilma Russef. Sinto-me partícipe deste esforço e os 393 títulos deste blog, deixam explícitos o ânimo permanente da denúncia dos desmandos das lideranças e equívocos profundos da metodologia e embasamento filosófico do que aí está no campo político.
Em doses homeopáticas, interpretei os mais diversos aspectos de um pensar ao mesmo tempo anárquico e disseminador egoísta de modo a privilegiar os - amigos do rei. Nossos líderes não falam com objetividade dos atos e sim praticam a manipulação de mentes e riquezas. Mentes para manter os incautos presos a suas imagens e no vil metal para comprar a todos, escravizando  sem parâmetros de qualquer lógica do razoável os indivíduos como seus súditos em cegos seguidores.
Alguns títulos são bem coerentes quanto a esta minha visão e elegeria dois para atestar meu modo de ver o revolucionar do estado atual: “revolver valores” e “se mudarmos tudo mudará”.
A identidade das pessoas vem de um valor maior – a liberdade. Ela há a ser preservada por um referencial de vida sem a manipulação de qualquer instrumento que leve a comportamentos de manadas,  o que soe acontecer na atualidade.
Mudemos os mecanismos  que se nos apresenta e façamos todos a nossa parte. Liberde e honra. Símbolos dos novos tempos!
Era da comunicação, avante brasileiros, rumo a novos tempos! Sejamos todos o fiel de nossos próprios destinos como aconteceu no Brasil desde 2013. É hora de querermos diferente do  que aí está. 

sábado, 16 de abril de 2016

Tempos de seminário I


 Nesta postagem vou direto aos ritos internos, usos e costumes, que foram uma referência por toda minha vida.
Ao chegar no seminário havia  um ritual de batismo pelo corpo discente que era a escolha do apelido, fosse almoço ou jantar, dependendo da hora da chegada do seminarista. Não sei se pelo brim caqui ou minhas feições mesmo, mas em minutos, surgiu um chamamento de Gambá que todo mundo riu e o apelido estava sacramentado. Eramos de uma classe de aula com os codinomes: Socó, FNM, Periquito, Espeto, Ferrerinha, Sorriso, Biguidão, Três Corações, Lampião, na foto ainda o Irmão Grugoskwi.  
Jamais lembraria destes meus colegas na foto da 1ª. Série do seminário se não fosse pelos apelidos, isto sem tê-la a mão, como agora ao escrever estas linhas.
Havia piscina, salão de jogos, campo de futebol, algumas poucas excursões e passeios externos mais simples, não ficávamos parados. Estudava, rezava e brincava. Tinha também os ritos de missas e orações regulares, com aulas o dia todo, as  atividades iam das 6 às 21 horas.
Aprendi ali, vários jogos de mesa como o xadrez e a dama, do baralho, o truco já sabia - aprendi a escopa, o 21, o 31, o pôquer, o buraco e o pife-pafe. Passávamos o tempo entre o futebol, o volibol, o pingue pongue, a piscina e estes jogos de mesa e muito estudo. Depois do almoço nos dias de semana era proibido dormir, tinha que estar em alguma atividade.
Nas férias de meio de ano, uma cena que jamais me esqueci ao ver meu pai num cômodo solitário da casa, com um fogãozinho simples no qual meu irmão tinha se queimado. Ali naquele canto com um olhar penoso derramei algumas lágrimas. Tinha em meu ambiente coletivo, amigos, roupa de cama e arrumadeira, comida em três regulares refeições. O lado afetivo e emotivo, jamais se apartou de mim.
O ritual diário, os ensinamentos e exigências de como se postar à mesa, além de outros modos da etiqueta social foram moldando aquele menino de costumes campesinos.
Tinha urinese e era sonâmbulo em grau leve. Me desfiz de ambos reflexos com o aconselhamento de um religioso que me ensinou usar a força da mente, disse- me ele: faça sua oração bem concentrado e após pense forte e repita em silêncio para você mesmo - não vou urinar na cama. Faça isso até dormir e foi tiro e queda, principalmente quanto a urinar.
Depois destes ensinamentos que deram certo, habituei-me a mentalizar a lição estudada nas vésperas de prova, um costume que me acompanhou por toda vida de estudante e ao relembrar a matéria antes de dormir, era sinônimo de boas provas. O tempo de seminário é um referencial muito forte em minha vida, no próximo domingo entrarei em pormenores deste significado. 
Hoje referencio a situação política do país que amanhã vota o destino de nossa Presidenta. Muito já escrevi sobre minhas convicções. Neste espaço dominical desejo sabedoria aos nossos parlamentares e amparo celestial a todos nós. Seja a decisão vencedora aquela que melhor atenda aos anseios da população. Que o Senhor seja louvado para sempre louvado seja e que tenhamos um viver justo e solidário.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Tudo por um Brasil melhor!

Carros no Jaburu e no Planalto também. 

Do que exponho e registro ao longo destes últimos anos, não me resta dúvida que a deposição da Presidenta urge!

Paira uma incerteza no  ar sobre o resultado da votação do Impeachment no domingo. Com certeza o mundo estará com os holofotes voltados para o rincão pátrio e todos nós atentos e tensos a acompanhar a votação. Muitos nas ruas a agitar suas bandeiras. Pintarão suas caras ou não? Bem possível que  não, pois assim não procederam ultimamente, muitos estarão em verde e amarelo,  as cores mais fortes de nossa bandeira. O placar não se definiu ainda, há controvérsias...contas que vão e que vem. Carros no Jaburu e no Planalto também. Alguns irão de vermelho, com certeza uma minoria.
Luzes, câmara, ação todos falarão e registrarão, empolgados argumentos, razões todos têm e ao país e ao povo o que convém? Do que exponho e registro ao longo destes últimos anos, não me resta dúvida que a deposição da Presidenta urge!
Que haja condenação de tantos quantos se beneficiaram do esquema de corrupção denunciado, com apuração em curso e a consequente exclusão da vida pública, uma urgente providência a ser efetivada. O bate cabeça que se vê na esfera federal reflete o desespero de quem foi pego no contrapé, sendo a situação de de extrema gravidade para toda nação brasileira que está a pique.
Tudo está consumado é hora do voto. Que o povo brasileiro tenha uma chance de se refazer, sob o prisma de uma nova forma de pensar a administração pública, em todos os seus setores.
Há que se revolver valores de forma que o bem sempre prevaleça sobre  a prática criminosa de gestão da coisa pública. Que se  expurgue o mau administrador  para que não sejamos dirigidos jamais por levianos líderes, cuja premissa máxima  é a perpetuação no poder a qualquer custo.
Sejam os nossos representantes iluminados e sensibilizados de que só há um caminho na hora do voto – o sim ao Impeachment e o bota fora também de todos os acusados, para um recomeço sob novos parâmetros, pois os atuais líderes nos levaram ladeira abaixo, quer seja na na malversação da riqueza material, assim como na negação da prática dos positivos valores intrínsecos  ao homem. Basta ver a elite presa por estar roubando escancaradamente o erário público. Deposição e cadeia para todos os envolvidos, isto é o que  eles  merecem! Assim aguardaremos, para registrar e interagir contigo leitor    que me acompanha. Até lá! na segunda! Tudo por um Brasil melhor! 

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Muro da vergonha nacional II

A Esplanada dos Ministérios recebe a mesma estrutura metálica

Tanto fizeram os políticos brasileiros detentores do poder há 13 anos que conseguiram jogar  brasileiro contra brasileiro.

O Papa João Paulo II (Karol Josef Wojtyła)   e Gorbachev Presidente da União Soviética foram os principais líderes da recondução da harmonia entre os alemães ocidentais e orientais separados desde o término da Sengunda Guerra Mundial por um extenso muro guardado por militares arrmados prontos para atirarem em quem ousasse transpô-lo.
Há pelos paises afora vários muros. A muralha da China, guindada a sétima maravilha do mundo, a mais famosa destes obstáculos físicos, hoje apenas decorativa. 
Trump em campanha para presidente dos Estados Unidos da América diz enfaticamente que construirá um muro em toda divisa com o México e proibirá a imigragação de mexicanos, suas propostas extravagantes estão dando trabalho aos oponentes, então a concluir que os muros sempre estarão em evidência na separação de humanos com fator de contenção.
No Oriente Médio eles proliferam, numa guerra sem fronteiras que somente estas barreiras dificultam as infiltrações dos vizinhos inimigos.
No Sete de etembro de 2015, consignei em Muro da Vergonha Nacional, os obstáculos colocados no Eixo Monumental de Brasília para afastar os populares das autoridades, especialmente de Dilma, a Presidente com altíssima taxa de rejeição popular.
Agora da mesma forma, a Esplanada dos Ministérios recebe a mesma estrutura metálica para dividir os brasileiros manifestamtes no próximo domingo quando da votação do Impeachment.
Tanto fizeram os políticos brasileiros detentores do poder há 13 anos que conseguiram jogar  brasileiro contra brasileiro ao ponto de necessitar de obstáculo físicos para separá-los. Enquanto nas arenas sem grades as torcidas de modo educado não invadem o campo, mesmo em derrota da Seleção Brasileira,  na politica, ante o estado de manipulação dos cidadãos é possível que haja exasperação de ânimo perigosa, suscetível mesmo de fato incontrolável. 
Prevenir é louvável   sob o prisma da seguranca, mas de se repudiar o nível de beligerância de alguns grupos patrocinados com o dinheiro do contribuinte, via governo federal.
A Esplanada que pisei como Guarda do Exército em 1966,  não é a mesma com grades, sim ela  está horrível.  Um espaço para o congrassamento cívico foi preparado para receber grupos que não se suportam. Que ao final da votação, decretadada a vitória pró-impeachment a cerca possa ser desfeita para um abraço de todos, rumo a verdadeira democracia brasileira, sem roubalheira doravante, preferencialmente. 
Abaixo mais uma investida bolivariana nas Américas de grupos com tendências ditadoriais, travestidos de democratas. Viva o Brasil -   de todas as cores! Viva a verdadeira democracia!

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Depois de 11 anos o Impeachment!


Liderança brasileira que promoveu a mais abjeta roubalheira

Sim, eleições antecipadas e “Constituinte Já”, com a Dilma fora e Lula preso.  Viremos esta página já!  Impeachment Já! Votar sim: uma questão de honra!

Infelizmente, demorou 11 anos para o desmascaramento da liderança brasileira que promoveu a mais abjeta roubalheira a partir de um esquema que beneficiasse a perpetuação no poder do Partido dos Trabalhadores, no caso majoritário que blindou os Presidentes da República – Lula e Dilma.  Quando do surgimento do Mensalão, a revista Veja lançou numa capa a imagem  do Lula, entre outros políticos, com o título Ali Babá e seus 40 Ladrões, e mesmo assim não houve Impeachment. Somente a frouxa oposição,  gatos do mesmo balaio, já escrevi, não se deu conta de que era imprescindível um novo processo expulsório para a consolidação da democracia no Brasil.
O Ministro Joaquim Barbosa veio e prendeu todos os denunciados. Não bastasse isso levantou toda a mazela existente nas esferas de outros poderes. Ele e a Ministra Eliana Calmon denunciaram conchavos, detectaram escândalos e agilizaram  ações através do Conselho Nacional de Justiça. Enfim, escancararam o que de pérfido havia nos bastidores da administração pública, a provocar a anomia reinante na sociedade brasileira.
Agora surge o Juiz Sérgio Moro, outro expoente da justiça, como foi a Juíza Denise Brossard, que algemou todos os bicheiros do Rio de Janeiro na sua sala de audiência, uma imagem histórica...
Moro prendeu a elite empresarial e política, deu bis em alguns crápulas do Mensalão e determinou a condução coercitiva do Chefe de todos. Como imaginar que do andar de cima de José Dirceu, Lula não sabia de nada do Mensalão? E desta vez a já desmascarada Dilma também sabe de tudo sobre o Petrolão!
Então tivemos 11 anos de atraso que está nos custando caro em todas as áreas: segurança (55 mil homícidios/ano) - e 55 mil mortes também no trânsito; sistema  prisional precário, além de leis inadequadas que não têm em país nenhum; saúde em frangalhos; e educação pior ainda com a distinção entre patrícios por leis de exceção e privilégios.
Tardiamente, Lula lançou a hipótese de antecipação das eleições. Sim, eleições antecipadas e “Constituinte Já”, com a Dilma fora e Lula preso. Será histórico quem na clandestinidade fez e o que fez e no poder continuou fazendo - os fins justificam os meios “mesmo que escusos”, ser responsabilizada  pela sua desídia. Perda do mandato para todos os condenados do Petrolão! Eleições e Constituinte Já!  O Brasil renascerá das cinzas, ou melhor, do vale fétido da corrupção por onde muitos se beneficiaram criminosamente com a riqueza produzida pelo sagrado suor do trabalhador. Empresários e encastelados políticos, mancomunados  numa ação criminosa de  “Lesa Pátria” jamais vista! Viremos esta página, Impeachment Já! Votar sim: uma questão de salvação nacional e honra!

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Auto vitimização da Presidenta!


 A quem interessa a auto vitimização da mandatária maior da nação?

A sequência da deposição pouco importa, mas sem dúvida representaria a redenção da ética no exercício do mandato popular. Ah, a isto seria!


A quem interessa a auto vitimização da mandatária maior da nação? Identifiquei nestes meus escritos, destes dois últimos anos, vários atos despropositais praticados contra as instituições e particulares sem a mínima reação do Poder Público.
Em “Índios no Parlamento” constei a depredação na Câmara dos Deputados, as destruições de lavouras pelo MST e o deslocamento de índios por 800 km para invadir Belo Monte pela enésima vez, com interdições que representavam prejuízo de milhões de reais.
Registrei também o absurdo da reunião em pleno Palácio do Planalto do Ministro Gilberto de Carvalho com mais de 300 índios paramentados. Quem custeou o deslocamento destes índios? Qual o propósito daquela cena cinematográfica? Bem possível que fosse lobby internacional para passar uma imagem de uma pátria diferenciada.
Onde está a distinção de uma pátria em que os estudantes não aprendem nem mesmo a própria língua portuguesa; onde milhares são manipulados pela exploração política de sua própria condição de miserabilidade. Vejam a cracolândia em São Paulo, as vítimas de balas perdidas no Rio de Janeiro, as mais de 110 mil mortes/ano, por homicídios e acidentes de trânsito, Brasil afora...
Hoje ela atrai grupos diariamente no Palácio do Planalto para ouvir as lamúrias de quem não tem mais aonde se apegar e num gesto irresponsável pratica a auto vitimização, impensadamente quanto às consequências como fez na juventude. Está pouco interessada nas consequências e apenas no resultado para si própria, numa atitude egoística e injustificada, quando todos sabem que a renúncia seria o melhor para a nação.
Ecoam confusos os atos do “Triunvirato dos Acusados”, quem sabe ao final todos eles sejam depostos por condenações da Lava Jato, pela ordem: Dilma, Cunha e Renan. A sequência da deposição pouco importa, mas sem dúvida representaria a redenção da ética no exercício de mandato popular. Ah, a isto seria!
Felizmente tivemos a decisão do Procurador Geral da República Rodrigo Janot de pleitear a impugnação da assunção de Lula na Casa Civil. As delações já homologadas do Senador Delcídio do Amaral e do Presidente da empreiteira Andrade Gutierrez sobre a propina para a eleição de 2014 oriunda da Petrobras e do sistema elétrico, principalmente do complexo Belo Monte, completam as ações dirigentes da Justiça na Operação Lava Jato.

Todos os crimes catalogados na proposta contra a Presidente põe a pique qualquer defesa no Impeachment que deveria ter se efetivado em 2005 e não o foi por uma oposição frouxa. Crimes é que não faltavam para proposição já àquela época, como comprovados: Mensalão e Petrolão, irmãos siameses. Deposições, antes tarde do que nunca! Constituinte Já!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Zorra Total

          Reeditado por atualíssimo!


        Avante com Impeatment, novas eleições e poder constituinte já! 


Esta prosa de comissão é coisa de bandido de um lado e de outro, corrupção pura. Cadeia e perda do cargo do agente político  e do direito de contratar ao particular.

Fôssemos    buscar subsidio   em ensinamentos de fatos citados nas escrituras, verificaríamos que à corrupção exacerbada, seguiu-se  tragédias, assim como à  desmedida busca de poder. Sodoma e Gomorra explicam a primeira hipótese, enquanto a confusão de línguas na Torre de Babel a segunda.
Também o adágio popular do “quem tudo quer nada tem ou acaba perdendo o que conquistou”, uma boa referência ao que acontece no Brasil nos dias atuais.
As inúmeras denúncias na maior empresa nacional são estarrecedoras, pior do que elas são as argumentações das  justificativas dos envolvidos.
Milhões e mais milhões extraviados  e os corruptos e corruptores, sendo presos com esfarrapadas desculpas de que senão der dinheiro não pega obra. Esta conduta  é um despropósito criminoso que deve mandar  todos para o cárcere, como feito com os crápulas do Mensalão.
Em 32 anos de exercício profissional, narro um fato no - Livro Tributo a Um Herói em que um cidadão numa barreira policial, ante o longo engarrafamento - ofereceu dinheiro para se adiantar aos demais condutores. Levado o fato ao superior foi permitido que se adiantasse e ao chegar expusemos as consequências da corrupção ativa a ele, na presença das filhas já adultas. Ele aguardou a sua vez ordeira e exemplarmente aos outros condutores da fila.
É aviltante o que está acontecendo nas hostes do poder, imaginava que depois do Mensalão, haveria mudança de conduta, mas não mudou. A estratégia de manutenção do poder político continua a mesma, sem nenhuma mesura, ao contrário é escrachante, repugnante a afrontar os brasileiros de bem.
Cresce dia a dia a indignação de vários segmentos da sociedade. Não se justifica a permanência da Presidente da Petrobrás, a frente do cargo e muito menos a vitória na eleição  exime a Presidente do Conselho da Estatal da responsabilidade de possíveis atos de conivência de que venham ser provados contra ela.
Assisti a ação de bate-panelas dos vencedores das eleições pelas ruas protestando contra tudo e todos, nos anos 80/90. Prelecionava os comandados para não reagir às provocações nas passeatas, ao final fazia "o volta a calma" para irem em paz para suas casas de tanto que eram ofendidos. Hoje... são agredidos, veja onde chegamos.
Esta prosa de comissão é coisa de bandido de um lado e de outro, corrupção pura. Cadeia e perda do cargo do agente político  e do direito de contratar ao particular. O Brasil tem jeito! "Embora pra rua" ordeiramente e sem black blocs. Todo poder emana do povo e em seu nome será exercido, é constitucional. Vamos exercê-lo, dentro dos limites legais, com garra e derteminação! Avante com Impeatment, novas eleições e poder constituinte já! 

sábado, 2 de abril de 2016

Até o seminário

Bem possível que não fosse para o seminário.

 Fosse mais forte e dotado de energias plenas, jamais teria me afastado do verdadeiro e puro amor por nada, em tudo que fiz ao longo dessa existência.

Fecho  esta  etapa de vida até os doze anos, quando segui para o seminário da Congregação Nossa Senhora do Sião em São Sebastião do Paraiso.  Sendo estudar  tudo que eu queria! 
Com muito esforço e dedicação, apoio da professora, cheguei a 1959, em estado de contrição pelas perdas da avó e mãe. 
Bem possível que não fosse para o seminário, sem o desaparecimento da genitora. Também não teria ido, não fosse o beneplácito da Senhora Terezinha com a doação de lindo enxoval com os ternos: caqui, de  casemira  e tudo de primeira, sendo certo que o convite foi feito a minha mãe que  acompanhava na igreja. Devo isso a ela. Também não teria permanecido no seminário se o Pe. Chaves não tivesse quebrado a regra de só entrar com a 4a. série do primário concluída. Entrei apenas com a terceira, sob o compromisso de esforçar-me para acompanhar a admissão, o que fiz com êxito.  Depois destas coincidências, restou-me ter fé por toda a vida de que  ela seria boa, melhor impossível.
Fosse mais forte e dotado de energias plenas, jamais teria me afastado do verdadeiro e puro amor por nada em tudo que fiz ao longo dessa existência, porém mesmo com as imperfeições humanas não fui tão limitado que não o praticasse através dos traços marcantes de minha personalidade e dos dons a mim atribuídos, consoantes princípios espirituais nos quais acredito e sou devoto, renovando-os periodicamente.  Em que pese possa não parecer e menos ainda de que  sejam motivos de aparecer. 
São condutas naturais de minha vida na busca da felicidade para poder compartilha-la naturalmente no seio da família e nas comunidades e ambientes com os quais interajo. Do seminário falarei em outra ocasião, capítulo que pretendo inaugurar sobre a adolescência. 
Nestes últimos meses, passei aos leitores nuances do meu viver que certamente moldaram-me quanto ao amor a vida de forma  a compartilhar com o próximo sempre o melhor de mim, assim como cumprir o que fosse de minha competência no limite que bem pudesse, conforme o aprendizado o dever  que estivesse incumbido.
Lá, se foi minha infância cronológica que renasce a cada   alvorecer a relembrar-me que o dom da vida é magnífico e viver é uma arte simples. Basta que  pratiquemos o amor abundante, o qual  transbordará de nossos corações de forma contagiante. A felicidade não é mensurável, porém ilimitada e proporcional ao amor a si mesmo e ao próximo que praticares. Se tens dúvida disso, eu não! 
Domingo dia de amenidades e louvor ao Senhor que para sempre há de ser louvado. Sejamos dignos das promessas de Cristo, num viver justo e solidário!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Professor, o elo de ouro!



artigoEu conheço, no rosto, horrí

A educação é a base de tudo, o país que não tiver esta premissa como pedra angular de sua estrutura, está fadado ao fracasso.

No dia 28, deixei o Conselho Municipal de Educação depois de seis anos, no qual fui membro titular, representando a comunidade como Companheiro pelo Rotary Club de Catanduva Norte. O colegiado atende a lei, que exige participação comunitária e de professores da rede municipal e estadual, além de populares da comunidade para deliberarem sobre vários aspectos que envolvem a Secretaria Municipal da Educação, sob pena do impedimento de atos que pelo Conselho devem ser homologados.
Com reuniões mensais e extraordinárias de comissões, foi a mim deveras agradável a participação, pois formado em Educação Física na corporação militar, no 17BPMI, quando Tenente ministrei aulas, coordenei cursos e elaborei diretriz sobre condicionamento físico para todo Batalhão, como titular da área operacional e de planejamento em São José do Rio Preto, na qual trabalhei por três anos. 
No Conselho, em discussões de assuntos gerais, algumas vezes reforcei a tese da importância do Professor, por inegável que é, reconhecendo em sua plenitude a relevância da sua atuação, em que pese alguns próprios não se darem conta dessa dimensão. É sabido que a remuneração da classe não é boa, o ambiente de trabalho idem, isto se evidencia pelos acontecimentos, em classe ali noticiados. 
Quem não conhece um professor ou professora que já foi agredido? Eu conheço, no rosto, horrível! As grades internas nas escolas atestam a depauperação dos ambientes. As 280.903 redações entregues em branco, que somadas, resultaram em 529.903 notas zero no ENEM de 2015, um absurdo. As recentes avaliações da Organização para a Cooperação Econômica (ODCE) e Programa Internacional de Avaliação (PISA) também atestam índices precários no aprendizado do brasileiro, mesmo em relação a países vizinhos, devendo ser revistos métodos, com priorização também de descontos de material escolar básico. 
Enfim, há muito que melhorar na educação do nosso país. A destacar a valorização do professor em relação a outras categorias de funcionários públicos. Aqueles, por serem muitos, se veem sempre prejudicados. São muitos, mas são a base da sociedade, e repeti ao me despedir: nenhuma outra carreira - seja justiça, segurança ou mesmo a saúde, compartilha com as famílias a formação de seus filhos desde a tenra idade,  até a acadêmica. 
Esta participação é fundamental na vida de todos nós e da nação... Feliz de quem teve bons professores! A educação é a base de tudo, o país que não tiver esta premissa como pedra angular de sua estrutura, está fadado ao fracasso. Chega de privilegiar políticos e outras classes de encastelados, vamos cortar regalias e olhar para a educação com mais respeito e seriedade. 
Pela importância, honra e dedicação das minhas duas primeiras professoras, Célia e Nenethy, aos seus alunos devotados, jamais tive dúvida de que o descaso com a educação ao longo dos tempos é um mal tão grave quanto a corrupção e às mordomias de algumas carreiras.
Trabalho digno e sem privilégios descabidos a ninguém é disso que precisamos. Muda Brasil e Catanduva também!