Na Trincheira do Poeta

Na Trincheira do Poeta

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Rui de vez o palanque das Diretas Já!


O que todos sabem é que há mais de 13 anos... 

As notícias diárias dão asco de ouvir. Não bastasse a desordem nos presídios, a criminalidade pelas drogas, roubos, assaltos e assassinatos, temos, hoje,  os anúncios políticos, onde autoridades escamoteiam  a verdade para se livrar da cadeia - mesmo assim, várias são presas, mensalmente.

A claque dos políticos hoje septuagenários, que estavam no palanque das Diretas Já em 1985, após 32 anos, vê um resultado catastrófico de um país em seu terceiro Presidente ameaçado de deposição do poder pela via expulsória.
O que todos sabem é que há mais de 13 anos uma corrupção desenfreada tomou conta do país. Boa parte daqueles que um dia se alvoraram em salvadores da pátria, somente por terem sido presos pelos militares ou banidos do país, já foram presos novamente por envolvimento em corrupção. O arauto dos desvalidos que diz representar os humildes desta nação é acusado de vários crimes. A guerrilheira foi destituída. O constitucionalista de plantão que tanto fez quando da edição da Carta Cidadã se vê denunciado pela Procuradoria Geral da República.
As notícias diárias dão asco de ouvir. Não bastasse a desordem nos presídios, a criminalidade pelas drogas, roubos, assaltos e assassinatos, temos, hoje, os anúncios políticos, onde autoridades escamoteiam a verdade para se livrar da cadeia - mesmo assim, várias são presas, mensalmente.
Difícil a situação, aumenta o número de brasileiros, deixando este maravilhoso rincão desiludidos com a condução da política, fugindo de bandidos pela insegurança reinante e falta de perspectivas quanto a economia.
O momento é de total desalento pelas incertezas dos rumos a serem tomados. A Lava Jato, após três anos, pois às escancaras o campo minado e fétido pela podridão dominante na política brasileira. Inexiste um só líder que aglutine as massas e que passe segurança à população. Há uma anomia de uma geração política agonizante que provocou a ruína da Nação.
Triste momento de desesperança provocado por políticos obtusos, que passaram 30 anos conduzindo o país com um discurso único comunista-antimilitar, esquecendo-se de cuidar de valores intrínsecos  ao humano, principalmente o da honestidade na condução do mandato.
A maioria acusada e ninguém tem razão ou atitudes que resultaram num país em confusão. Que renasça uma nação sob a égide de outros valores para o bem das novas gerações, sepultando de vez o fanatismo daquele palanque que tantas ilusões cantou... meras ilusões!

domingo, 25 de junho de 2017

Tempos acadêmicos temporários - conclusão!


Todos os professores eram excelentes. Lecionar na APMBB distinguia os mestres pela excelência do ambiente ali reinante e repercussão no meio escolar.

O curso preparatório existiu na Polícia Militar de São Paulo até o ano de ......, ele é similar ao das Forças Armadas. Além de propiciar o estudo ao nível Médio, servia de ingresso à carreira militar. Uma vez aprovado, o aluno ingressava no curso de formação, com a vantagem de ter assimilado em tenra idade os valores intrínsecos da profissão. A nós, praças, uma grande oportunidade de alcançar o oficialato e chegar ao ápice da carreira. A enculturação dos valores aos jovens civis era entendida por muitos como situação ideal para uma dedicação total aos misteres profissionais. 
Este é um registro da história vivida para que não se perca no tempo detalhes vivenciados que registram uma forma de viver com as ferramentas da época. Quando há pouco folheei páginas e páginas em manuscritos dos bancos escolares me vi imaginando o que ocorre hoje com a modernidade tecnológica, aos discípulos destes tempos. Assim, um parâmetro à comparação da mudança dos tempos. Valeu todo o esforço do registro que disponho! Muita emoção reviver os ensinamentos daqueles dias.
Em continuação desta fase estudantil de minha vida, concluo o ciclo correspondente ao 2º. grau - à época, uma mudança da denominação de Científico para Colegial. Como anunciado, tive o ânimo de apostilar as matérias de ensino geral que seguem com o primeiro nome dos Professores: Português, Pedro, homenageado ao final do curso por indicação dos alunos como o melhor dentre todos. Sexagenário, poliglota, com uma didática ímpar, tinha a humildade de na primeira aula liberar aos alunos perguntas, com a observação de que se não soubesse, traria a resposta na próxima aula. Analisava as questões apresentadas nos radicais - grego, francês, latim, inglês, uma sumidade em conhecimento e postura impoluta. Um alemão que nos ensinou o conceito de Estoicismo e muitos outros. Fizemos justiça ao escolhê-lo para a homenagem de melhor professor do ciclo, dentre tantos  ótimos mestres – fui um dentre outros a indicá-lo!
Todos os professores eram excelentes. Lecionar na APMBB distinguia os mestres pela excelência do ambiente ali reinante e repercussão no meio escolar. Segue com o louvor merecido dos educandos o currículo e respectivo professor das matérias pertinentes ao ensino público de 2o. grau:
English - Cestini; Filosofia – Renato Grisi; Psicologia - Cruz; Matemática – Seisem;  Física – Ciro; História Geral – Bueno; Geografia – Luís; Química – Emir; Francês – Luiz.
Além destas matérias curriculares, tivemos Instrução Geral, Ordem Unida e Tiro. Também os Comandantes de Pelotões passavam orientações diariamente, sendo que nesta fase o do pelotão que pertenci: os Ten. Guaraciaba e Picerni. Guaraciba vez ou outra conversava comigo sobre o episódio de Registro quanto ao combate aos terroristas. Picerni, apesar de ter a minha idade ou menos, aconselhou-me sobre fato ocorrido com familiar que estando disponível por não fazer exames, pude resolver com apoio do Centro de Operações e do Batalhão Tobias de Aguiar. A todos fiquei muito grato. Foi uma busca incessante por cinco dias, com final feliz!
As turmas de 1975 e de 1974 são caracterizadas por seu elevado número e uma miscigenação intensa de alunos civis e militares. Meninos de 16, 17 anos lado a lado de praças experientes, soldados, cabos e sargentos com até seis anos de serviço. Também a Academia sabemos passou por revisão de ensino e de interpretação da atuação profissional. O Comandante do Corpo, recém-falecido, à época era o Capitão PM José Alves de Carvalho - tinha nos alunos a menina de seus olhos. Ex-praça, formado em Direito, era um verdadeiro pai dos alunos e ai de quem pisasse na bola com eles. Nesta tônica, transcorreu o curso sem esquecer os excelentes Comandantes da Escola no período. Esta fase dita preparatória transcorreu muito bem. No meu caso o ápice de um sonho, sonhado e acalentado de um dia poder estudar regularmente. Vejo que por isto mesmo guardo como verdadeiro troféu de vida os ensinamentos desta época, absorvidos nesta excelente Escola, a APMBB.
Muito teria a dizer, porém a limitação de espaço me faz concluir com um abraço comovido os colegas da Turma de Aspirantes/75, pelo excelente tempo vivido, com tantos quantos me relacionei nestes dois anos, de 1971/72. Hoje tão bem representados pela ATASP/75.
Domingo, dia do Senhor! Àqueles que acreditam reservado ao descanso e a ele dedicar meditação fortalecedora pela energia positiva próprias ao ato. Que Ele seja louvado, para sempre louvado seja!

sábado, 24 de junho de 2017

Sem loas a FHC!

Compra de votos para que a reeleição fosse aprovada

Que República é esta? Da ideal da “res pública, coisa do povo”, não teve nada!!! Nem educação, nem segurança e nem justiça que aparece agora, felizmente. Muita devassidão no poder, isto sim houve!

Após a vitória para o exercício do segundo mandato, surgiram várias acusações de compra de votos para que a reeleição fosse aprovada, as quais não deram em nada. Certo é que as suspeitas eram muitas, e como soe acontecer nos bastidores da política, certamente a estratégia do favorecimento deve ter imperado mesmo; então, minado em tudo que ocorreu no parlamento ao final do segundo mandato, derrota para o sempre candidato barbudo.
Ocorre que em 2005, em arroubo de injustiçado o Deputado Federal Roberto Jefferson pôs a boca no trombone em grave denúncia de corrupção nos bastidores da República – olhou firme na câmera televisiva e pediu a cabeça de José Dirceu, que não resistiu a quarenta e oito horas, sendo sumariamente demitido.
O desenrolar da acusação evoluiu para o chamado Mensalão, esquema através do qual autoridades, principalmente deputados e senadores, foram denunciados pelo recebimento de propinas para aprovação de matérias congressuais de interesses diversos, menos o da população.
Neste momento, aventou-se o Impeachment de Lula; entretanto, em evento partidário do PSDB, no Anhembi, com mais de mil correligionários ansiosos para ver a sua aprovação, a cúpula do partido decidiu que a via eleitoral era a mais viável. Como visto agora o Petrolão já estava implantado, também.
Então, Suplicy e Lula atiçavam as bases com uma prévia eleitoral, enquanto isso - FHC e seus três mosqueteiros tomavam vinho em restaurantes em São Paulo para ver quem seria o candidato, certos da derrota do oponente. Escolhido Serra, perdeu o partido novamente a eleição, em derrota que estendeu o reinado do oponente, via um poste em 2010 que se conseguiu eleger e que grandes males causou à nação. Hoje, vemos que o poder exercido pelas facilitações legais que rendem dinheiro aos partidos dominadores foi a tônica dos últimos tempos, de forma a descaracterizar os ideais políticos de promover a “felicidade dos povos”.
Imperou sim o "venha a nós tudo, ao vosso reino nada". Calcado na máxima de “Salvadores da Pátria”, das mãos dos militares, catilinária que ainda prospera. Por estes caminhos seguiram por treze anos a fio dando as cartas, e os coadjuvantes não deixaram por menos e roubaram, também.
Que República é esta? Da ideal da “res pública, coisa do povo”, não teve nada!!! Nem educação, nem segurança e nem justiça que aparece agora, felizmente. Muita devassidão no poder, isto sim houve!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Nada substitui a família!


Republicado por ser atualíssimo o teor da postagem (de 19/01/2015)


É um momento de desalento!

A ineficiência é a marca que se destaca na administração pública. O Brasil do momento precisa de uma reinvenção. Ela existe: revolvam-se os valores.

Não adianta os arautos anarquistas espernearem porque a família é a base de tudo. Antropólogos, sociólogos e tantos outros estudiosos reconhecem a organização familiar como a base sustentadora da sociedade. Por isso mesmo, sou um inconformado com a ação dos anarquistas e renego veementemente a atitude impertinente deles contra a organização do estrato social sob a égide das tradições religiosas que renegam.
Leio,  penso e medito sobre o agnóstico que envolve aspectos diversos sobre a concepção da divindade e gostei  de encontrar em "A Revolução do Amor", de Luch Ferry, filósofo francês, atualíssimo sobre como o não crente com o domínio dos princípios éticos-filosóficos consegue o equilíbrio para uma vida sem amarras a conceitos diversos fundamentalistas. Diferentemente dos anarquistas, que não  me convencem. 
Padecemos em solo pátrio, que já foi predominantemente cristão, deste desgaste cultural que, somado à devassa política, nos colocou diante de um quadro que atingiu em cheio a sociedade pela depreciação das tradições culturais, favorecendo uma reação de descrédito generalizado das instâncias formais e informais da sociedade, quer seja dos governos, das igrejas, clubes  e tantos quantos queiram agir com um mínimo de pragmatismo.
É um momento de desalento, mesmo os mais otimistas tem sentido o golpe. O meio político desarticulou-se, sendo que as acusações recíprocas de atos desabonadores se multiplicam, até aqueles experientíssimos estão em dificuldade ante tanta devassidão. Os menos favorecidos são manipulados por todos em nome da manutenção no poder, este é o estratagema dos líderes hoje.
Referências importantíssimas no campo educacional esvaíram-se com a depauperação dos costumes. Anarquistas e materialistas-comunistas não louvam a nada quer seja pátria, família, Estado, nação. Para eles é tudo babaquice. Há quem já tenha sido preso pela terceira vez, da turma dos dominantes no pós-1985:  como terrorista, no Mensalão e agora no Petrolão.
Na postagem de ontem, com o título "Pelos Caminhos da Vida", enalteci: avós, tios e pais pelo ensinamento de solidariedade em família, pois órfãos, os cinco irmãos ainda criança receberam apoio das Irmãs de Caridade, deles familiares, sendo esta conduta reconfortante de pronto e sustentadora do acreditar de que o bem existe que está a sua frente, ao seu lado.
Hoje, a exploração política tomou conta de tudo, sendo os menos favorecidos e minorias sociais  manipuladas  pelos  senhores do poder, como moeda de troca na hora do voto, que é obrigatório.
Os poderosos não estão suportando a balbúrdia que aprontaram com o  poder no magnífico Brasil. O bate cabeça dos líderes dos Três Poderes constituídos da Federação é intenso. Quem sofre é aquele de cujo suor origina a riqueza da Nação. Enquanto a burocracia estatal se locupleta, seja pela corrupção nos bastidores do poder, seja por aquela institucionalizada através do excesso de organismos como Ministérios; instâncias judiciais; de polícias; ou das mordomias  como  aposentadorias precoces; excesso de férias, nomeações de apaniguados incompetentes. A ineficiência é a marca que se destaca na administração pública. O Brasil do momento precisa de uma reinvenção. Ela existe: revolvam-se os valores. O mundo é pródigo em exemplos, basta coragem e boa vontade. "Algumas famílias brasileiras tradicionais, empreendedoras e bem sucedidas seriam uma boa referência para os burocratas e políticos de como fazer o certo".

terça-feira, 20 de junho de 2017

Delação premiada, degradação humana!

O instituto legal é consequência evidente da malignidade humana

Esta última delação da JBS traduz bem onde chegamos. O grupo arquitetou uma forma de enriquecimento, a partir da aproximação corruptiva de lideranças viciadas na captação de numerário para manutenção de ações políticas e ainda obteve privilégios por vários anos a fio...

Em resumo, pesquisando sobre a implantação da sistemática da Delação Premiada, tratatada originariamente como Colaboração Premiada, constata-se que ela decorre da ação contra a máfia italiana no final dos anos 80 e vem sendo aperfeiçoada em diversos dispositivos, iniciando-se em 1990 com a lei dos crimes hediondos. O instituto legal é consequência evidente da malignidade humana que se põe em atos inescrupulosos sem limites quem quer sobreviver do crime.
Ao exercer liderança na área policial militar, pautei-me pela legalidade com elevada atenção aos desvios de conduta internos e estímulo no limite para o alcance da efetividade das ações de ordem rotineiras no combate ao crime e principalmente quanto a retidão de caráter dos comandados.
Como é gratificante ver tudo correr bem, sem denúncias de qualquer ordem e as que surgiam ser esclarecidas à luz da lei, com o devido rigor de pronto, de dia, à noite, a qualquer hora, uma predisposição permanente, um estado de prontidão de doação total no cumprimento da missão da oficialidade, um padrão de conduta, diria espontâneo.
A condição pessoal particular deste blogueiro se dá pela predisposição em participar minimamente dos assuntos correntes, ela decorre deste estado de espírito permanente... pois ele faz bem a quem o cultua, tenho absoluta certeza disso. Difícil entender a maldade humana, e o indivíduo que se põe a viver do crime.
Escabrosa a situação nacional, com pessoas de estirpe, vendo-se na iminência de serem presos, familiares presos, líderes e mais líderes presos. Indo para o popular... o que dizer lá em casa ou ao mundo o que é pior?
Esta última delação da JBS traduz bem onde chegamos. O grupo arquitetou uma forma de enriquecimento, a partir da aproximação corruptiva de lideranças viciadas na captação de numerário para manutenção de ações políticas, obtendo privilégios por vários anos a fio. Um criminoso contumaz.. .está bem nítido, igualmente outros empresários já presos, com uma diferença – beneficiou-se destes atos, em ardil conluio espetacular para lucrar financeiramente e beneficiou-se de liberdade no exterior ao delatar.
Em tudo, a justiça se vale muitíssimo do Princípio da Razoabilidade. Se a todos foram impostas prisão, porque um dos maiores corruptores do país pousa livre e solto em entrevista aqui e acolá? Que seja preso também porque tudo mostra que praticou crime de ação lucrativa na negociação de ações por ter informações privilegiadas, consequente aos atos por ele arquitetado que resultou na notícia do escândalo anunciado de forma bombástica.
O país paga a conta por mais um ato de um delinquente que não pode se ver livre, é muita ousadia ludibriar a todos, provocar uma crise descomunal, fruto de seus próprios crimes. Está muito cômodo para ele a manipulação toda. Minha apreciação cidadã!

domingo, 18 de junho de 2017

Tempos acadêmicos - preparatórios!


A sensação de estar no paraíso terrestre.

Não foi para mim somente um curso, outrossim a concomitante experiência de uma vida plena ante o sonho experimentado!

Das passagens de minha vida tenho o ingresso na APMBB como o reencontro do seminarista, ou mais remoto ainda, com o camponezinho de coração puro que caminhava por entre a mata, pensativo na vida que um dia se encantou com a leitura da carta pela prima a familiares.
A sensação de estar no paraíso terrestre, um brinde, um presente, uma sublimação cultuada não só naqueles  600 metros do pórtico de entrada ao pátio do Ninho das Águias, como é denominada mística e simbolicamente a APMBB. Não o foi somente naquele momento e sim por toda minha vida!
A enculturação militar nos cinco anos de soldado em três corporações distintas foi praticada na Academia em conduta de retidão que me convinha, pois não queria correr o menor risco de irregularidades  disciplinares e ser referência mínima que fosse de militar àqueles companheiros imberbes, cuja missão futura seria nobre, porém dificílima - tinha na carne e espírito a provação da participação em combate!
Não foi para mim somente um curso,  outrossim a concomitante experiência de uma vida plena ante o sonho experimentado do dia do ingresso até a declaração a Aspirante Oficial, em 26 de julho de 1976.
Família reunida, noivado e auspiciosas expectativas da vida futura!

Domingo, dia do Senhor! Àqueles que acreditam reservado ao descanso e a ele dedicar meditação fortalecedora pela energia positiva próprias ao ato. Que Ele seja louvado, para sempre louvado seja!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Extravagâncias do comissionamento (reedição)

Hoje o país é governado a partir dos acertos do Poder Judiciário

Voltemos às ruas de forma a inundá-las, em paz e de mãos dadas pelo nosso renascimento. Chega de tanta incompetência, somada a má-fé dos corruptos e corruptores, como visto comprovadamente no nível federal.

Em consequência do despreparo dos políticos pela falta de exigência de conhecimentos mínimos para o exercício dos relevantes cargos  em que são empossados, tanto no Legislativo quanto no Executivo, a administração pública brasileira virou uma lambança. O despropósito é tal que afirmo sem a mínima margem de erro - hoje o país é governado a partir dos acertos do Poder Judiciário, em que pese as imperfeições nele existentes. Neste poder o provimento de cargos se dá por concursos com oportunidades a todos os brasileiros e isso conta muito.
A notícia de que o Tribunal de Justiça decidiu pela demissão dos comissionados municipais de nossa cidade é mais um entre tantos acertos, a corrigir distorções gritantes, já registradas em meus escritos, pois em 1996 a cidade foi invadida por forasteiros que vieram com a pecha de dar suporte aos políticos locais, mas o que se vê é o compadrio partidário em que cidades onde são derrotados, vários migram para aquelas onde foram vencedores. Assim segue a carruagem, não importa mérito, não importa identificação com a comunidade local, não importa nada - é o partidão do sucesso, há 12 anos que interessa.
Pior, fizeram escola. Catanduva tem uma incidência horrível do julgamento de inconsticionalidade de leis, proporcionalmente está entre as campeãs do estado, no Executivo e Legislativo, agora mais uma vez por decisão da justiça, corrige-se este hábito escabroso do comissionamento que comporta os incompetentes amigos do rei.
Na administração de Marta Suplicy, na Prefeitura de São Paulo foram transformados em  comissionados 600 cargos técnicos efetivos. Esta é uma vala fétida onde se sepulta as esperanças daqueles que trabalham de sol a sol para suportar incompetentes apadrinhados de políticos inconsequentes que só pensam na perpetuação no poder. Um alento, uma esperança, ainda podemos contar com decisões como esta.
Muda urgente, Brasil, se possível através de um novo Poder Constituinte, pois aqueles detentores de cargos hoje, que mamam nas tetas do governo, insinuam mudanças paliativas porque a corda está no pescoço. O Brasil e os brasileiros merecem a revolução do amor. Voltemos às ruas de forma a inundá-las, em paz de mãos dadas pelo nosso renascimento. Chega de tanta incompetência, somada a má-fé dos corruptos e corruptores, como visto comprovadamente no nível federal.

domingo, 11 de junho de 2017

Tempos acadêmicos - Preâmbulo


Espaço, ao final de  louvor a essencial solidariedade familiar como fortalecimento da sociedade.

Dentre tantos assuntos conturbados destes dias, abro espaço às experiências pessoais, em narrativas dominicais interagindo com você, leitor, pois das histórias de cada um de nós se faz a da nação.
Avanço vida afora porque gosto dela, de viver e da minha como vivi e vivo. Por mais que foram e são os percalços, jamais me entristecerei quando do alvorecer sob a luz do sol da manhã.
Ao perder peso pelo esforço de cumprir escala e frequentar aulas em escola relativamente longe, surpreendi-me atento a um painel em reluzente amarelo no Parque D. Pedro, avistado ao longe - Madureza Santa Inês. Aqui vou concluir o segundo grau, imaginava.
Desci para a Campanha do Vale do Ribeira, apesar das condições precárias; em quarenta dias o peso foi recuperado, mas no âmago daquele jovem esperançoso restaram ranhuras que o marcariam para sempre.
Curso de Cabo frequentado com dedicação, mas o letivo escolar foi perdido por exceder as faltas. Os acontecimentos do transcorrer de 1970 mexeram com o meu interior de tal forma que só me inscrevi para a Academia por insistência de colegas que me deram carona.
Para quem acredita é assim mesmo que acontece, independe até de nossa vontade, e para minha alegria maior, o primeiro dia letivo coincidiu com o meu vigésimo quarto aniversário, 17 de fevereiro de 1971, coroando cinco anos de esperança e esforço na busca de um norte na minha tumultuada vida.
A fé, a esperança e a dedicação me conduziram a um dos melhores cursos acadêmicos militares do Brasil, o da APMBB - Academia de Polícia Militar do Barro Branco.
Nele em período reduzido de dois anos, mas com currículo pleno e reconhecido legalmente, pude seguir os predestinados estudos. Eles tanto significaram para mim que tenho apostiladas aula por aula desde o primeiro dia no Colégio de Taguatinga Norte, em 1968, até a conclusão do Curso de Instrutor de Educação Física - CIEF, em 1978. Neste período, casado e pai, sou deveras agradecido a Deus por tudo em minha vida, pois nestes anos deu-se a materialização de sonhos sublimados, diria mesmo quase utópicos pelas condições pessoais que me vi de 1958 a 1966, já registrados em artigos passados.
Aqui, uma saudação especial ao desprendimento de meus tios João e Sebastiana (Nica), que me acolheram por um ano, possibilitando tratamento de saúde, sem o qual não teria seguido a carreira militar. Espaço, ao final de louvor à essencial solidariedade familiar como fortalecimento da sociedade.
Domingo, dia do Senhor! Àqueles que acreditam reservado ao descanso e a ele dedicar meditação fortalecedora pela energia positiva próprias ao ato. Que Ele seja louvado, para sempre louvado seja!

sábado, 10 de junho de 2017

Voo no escuro (reedição)

Acusados que certamente pensavam passar ileso ante às falcatruas...

Dentre eles gravou conversas com caciques da política e provoca um alvoroço em Brasília, ao incluir o atual Presidente da República Michel Temer nas acusações...

Artigo publicado na íntegra no jornal O Regional, de Catanduva, em 19/6/16

A situação no Planalto Central é tenebrosa. Não queria estar na pele de todos estes acusados que certamente pensavam passar ilesos ante às falcatruas praticadas, resultado de uma desmedida anomia da sociedade brasileira, onde tudo pode e nada se deve. Eles foram metendo as mãos na cumbuca, e pior, tirando o mais que pudesse, esta foi a tônica das ilegalidades praticadas de forma exorbitante nestes últimos tempos. Não que o esquema seja de agora, ele vem de longe, entretanto mais dissimulado. As consequências: a cada dia as delações se tornam mais avassaladoras, pois somente serão aceitas se trouxerem fatos novos relevantes ou constituírem-se em robustas provas àquelas,  já existentes.
Assim acontecem e multiplicam-se os políticos envolvidos. O ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, denunciou mais de 20 deles. Gravou conversas com caciques da política e provoca um alvoroço em Brasília ao incluir o atual Presidente da República Michel Temer nas acusações, sobre as quais este se defende, negando qualquer participação em ato ilícito de captação de recurso.
Não voei muito, mas o suficiente para passar por turbulências, então o voo no escuro se diz daquele que está à deriva e com graves riscos, em que a tripulação tem dificuldade de controle da nave, como estão os governantes do Brasil. Notícia recente prevê que Vacari, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, será mais um delator na Lava Jato!
Quantos não querem o fim desta tormenta; quantos não se condenam pela aprovação da Lei da Delação Premiada. É a roda d’água da sociedade que não regride. Se falta água para  onde está, ressurgiu; gira para frente.
Que se confirme o Impeachment de Dilma no Senado. Que sejam destituídos quantos forem os envolvidos em corrupção para que o voo encontre o “céu de brigadeiro” num espaço aéreo, onde predomine as cores da Bandeira Nacional: verde, amarelo, azul e branco. Abaixo o vermelho, adotado por partidos retrógrados que comungam os ditames comunistas. Este é o pior dos regimes políticos - está comprovado por onde teve hegemonia, mesmo que temporária.
Está difícil saber a rota e onde o voo vai aterrissar, mas apesar das turbulências de momento, pior do que as trapalhadas da tripulação Dilma certamente não será. Tenhamos esperança em dias melhores. Em frente, Brasil!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Embate titânico via delação da JBS

Ao veio comercial imperialista dos delatores da JBS

Somou-se o do domínio ideológico do grupo político dominante e políticos de todas alas   em condições nos poderes para facilitação de interesses escusos. 

Assistimos os estertores de um ciclo de trinta anos. Nestes tempos no mundo, o que de mais fantástico aconteceu foi a evolução tecnológica e o mais decepcionante constatar que a humanidade, apesar da sua característica de animal racional no relacionamento entre os povos, em nada acrescentou na elevação do padrão ético.
Há perversos ataques terroristas, mundo afora, há sanguinárias guerras, imigrantes por diversos motivos, desde a milenar perseguição política, religiosa e a pior delas, a fome.
O espírito imperialista de conquista pelas armas foi potencializado pela tecnologia com a comunicação de massa. O indivíduo recebe uma carga negativa, perversamente arquitetada que o escraviza psicologicamente. Ele passa a ser um marionete de um complexo mundial, com interesses múltiplos, os piores - comerciais e ideológicos.

Ao veio comercial imperialista dos delatores da JBS, por sinal inescrupulosos, somou-se o do domínio ideológico do grupo político dominante e políticos de todas as alas em condições nos poderes para facilitação de interesses escusos. Com a delação superpremiada com a liberdade de residir em Nova York, empresários criminosos estão se refastelando.

A instrumentalização do Estado, via sindicatos e associações, sem uma mínima preocupação que não seja direitos, acrescentou-se à roubalheira de empresários mancomunados com os políticos país afora.
O Presidente da República e o do PSDB envolvidos estão pondo a pique as reformas pela derrocada da governabilidade que tomava corpo.
Encerro com a imagem da feijoada carioca que tanto vi ser preparada por eles como auxiliar de cozinha - uma delícia, não sobrava nada.
Infelizmente a concluir que na feijoada da administração pública brasileira há bons ingredientes e apresentação, mas ninguém come por causa do caldo indigesto da corrupção. Que não haja delação, antes do grampo na mão, pois assim fica fácil ser ladrão!